São Paulo vence batalha contra moradores em Processo que queria impedir eventos noturnos no Morumbi

outubro 20, 2014

tumultomorumbi

Anos atrás, um grupo de moradores do bairro do Morumbi, representados pelo MMT (Movimento Morumbi Total), ingressou com reclamação no Ministério Público solicitando que fosse cumprida a “Lei do Silêncio”, impedindo o São Paulo de realizar eventos noturnos em seu estádio.

O Tricolor foi obrigado a fazer alterações acústicas para se adequar a legislação, que custaram alguns milhões aos caixas tricolores.

Não contente, o MP-SP comprou a briga dos moradores e ingressou com recurso, pedindo a punição inicial, considerando insuficientes as obras realizadas.

Nova derrota.

A Justiça entendeu que o clube se adequou ao que era necessário ser feito, dando por encerrada a contenda judicial.

Ata comprova caos financeiro do Palmeiras e novo vexame de Pescarmona

outubro 20, 2014

porco dinheiro

Tivemos acesso ao conteúdo das treze páginas que compõem a Ata da Reunião Extraordinária do Conselho Deliberativo do Palmeiras, realizada em 01 de setembro de 2014.

Absolutamente preocupante.

Não apenas por relatar a dificílima situação financeira do clube, mas também pela constatação da mediocridade, e até inexpressividade, de alguns conselheiros.

Um deles, candidato à presidência palestrina, Wlademir Pescarmona, tão “respeitado” no clube que foi apelidado, por alguns, como “Pescachaça”.

No início da reunião, logo após a homenagem a Oberdan Catani, recém falecido, iniciou-se a exposição, pelo presidente Paulo Nobre, de todo o aporte financeiro que realizou no Verdão, totalizando expressivos R$ 103 milhões, e a sugestão para quitação da pendencia.

O prazo previsto para pagamento foi definido como “entre dez e doze anos”, podendo, de acordo com a arrecadação do clube, ser menor ou ainda maior.

A correção utilizada será equivalente a 100% do CDI, que é uma taxa menor, utilizada apenas em operações entre bancos.

Mesmo assim, fixou-se um limite máximo de juros, em caso de descontrole das taxas, de 12% ao ano, ou seja, se o CDI for maior do que 12%, o clube, de imediato, não pagará nada a mais, acertando a diferença posteriormente.

Se o CDI for menor, pagará somente a taxa vigente.

Para evitar que o Palmeiras tenha problemas no fluxo de Caixa, estimou-se que não mais do que 10% da Receita poderá ser utilizado para quitar a dívida com Paulo Nobre.

Coisa de pai para filho, convenhamos.

Os valores serão depositados pelo clube num Fundo de Investimentos gerido pelo atual presidente palestrino.

Para garantir que o dinheiro para quitar a pendência com Paulo Nobre não se misture a outros valores recebidos, o Palmeiras se comprometeu a abrir uma conta específica para essa operação, que será administrada pelo Fundo.

Explicou-se no Conselho que o sistema de pagamento beneficiou o caixa palestrino, porque trata-se de um alongamento de dívida, a juros baixos, de um empréstimo que pagou dívidas de curto prazo, algumas até já vencidas, entre as quais: direito de imagem, salários, água, luz, telefone, etc.

Nobre apresentou um cálculo demonstrando que se o clube tivesse tomado os valores, R$ 103 milhões, pelas vias normais em instituições bancárias, para pagar no mesmo prazo sugerido, os juros corresponderiam a R$ 377 milhões, enquanto, pelo acordo agora firmado, terá que pagar apenas R$ 58 milhões.

Nos últimos anos, através das desastradas gestões anteriores, o Conselho do Palmeiras foi informado de que o clube tomou empréstimos com taxas de pagamentos pornográficas:

- BANIF, a 33% ao ano;

- BRADESCO, a 25% ao ano;

- BMG, o banco do Mensalão, a 24% ao ano;

- ABC, a 21% ao ano.

Na sequencia, efetuou-se a leitura do parecer do COF, favorável às condições de pagamento sugeridas por Paulo Nobre, demonstrando, também, novos dados sobre a caótica situação financeira do clube:

“Prezado Presidente, tem este o objetivo de encaminhar a V.Sa. Parecer do C.O.F. sobre o “Plano de Refinanciamento de Parte do Passivo da S.E.P.” – Considerando o alto endividamento acumulado no decorrer dos últimos anos; – Considerando a dificuldade de crédito e quando possível, a juros abusivos, com garantias de antecipação de nossos principais contratos (Globo, Adidas e outros patrocinadores);

- Considerando a inexistência de orçamento para 2013, tendo sido apresentado ao C.O.F. e ao C.D. após meses de avaliações e acompanhamento do fluxo de receitas e despesas;

- Considerando o comprometimento de receitas antecipadas, algumas em até cinco anos na sua origem;

- Considerando as obrigações contratuais já assumidas e as despesas ordinárias correntes;

- Considerando os constantes atrasos de salários, direitos de imagens, pagamentos de outras obrigações e o não recolhimento de tributos retidos na fonte, com reflexos negativos a nossa credibilidade que não podiam continuar persistindo;

- Considerando os empréstimos bancários vencíveis a curto prazo, que se renovados nos onerariam com altas taxas de juros, comprometendo nossos principais recebíveis;

- Considerando a necessidade da permanência da “KIA” em nossa camisa até Maio de 2013, com remuneração pífia, em atendimento a dispositivo contratual com a “Adidas” que ameaçava aplicar altas multas por descumprimento contratual (distrato com a Samsung- saída da Fiat-etc…);

- Considerando a ausência de novos patrocinadores;

- Considerando que as receitas remanescentes de todo o exercício de 2013, se antecipadas, esgotariam em meados de Abril do mesmo ano;

- Considerando a inviabilização da operação “FIDIC” (cinquenta e quatro milhões de reais) lastreada ao contrato da Globo, que foi parte bloqueada judicialmente pela empresa Angeloni-Angeloni relativo a negociação com o atleta Wesley;

- Considerando que concomitantemente ao “FIDIC”, depois de análise detalhada de diversas propostas e pela dificuldade na obtenção de recursos, decidiu a “Diretoria Executiva” com a aprovação do “C.O.F.”, realizar operações com garantias oferecidas pelo Sr. Paulo de Almeida Nobre, tendo como principais vantagens a agilidade nas operações e taxas de juros muito menores que as praticadas pelas instituições financeiras com a “S.E.P.”;

- Considerando que a obtenção desses recursos viabilizou o cumprimento de todas as obrigações correntes inclusive as dividas bancarias de curtíssimo prazo;

- Considerando que se esses recursos obtidos pela intervenção do Presidente Sr. Paulo de Almeida Nobre forem liquidados a longo prazo criar-se- a as condições para refinanciamento de parte da dívida de curto prazo.

Objetivando esse refinanciamento e após várias reuniões extraordinárias do “C.O.F.” com a “Diretoria Executiva”, desenvolveu-se um plano que tem como principais características:

  1. a) Criar um fundo para ordenar a operação;
  2. b) Prazo de pagamento para dez a doze anos;
  3. c) Não fixação de valores absolutos de comprometimento mensal;
  4. d) Compromete somente 10% (dez por cento) de todas as receitas;
  5. e) Libera 90% (noventa por cento) dos principais contratos para garantir operações emergenciais de futuras gestões;
  6. f) Remuneração calculada pelo índice. CDI (Taxa não utilizada no mercado para qualquer operação de obtenção de crédito);
  7. g) CDI limitado a 1% (um por cento) ao mês, havendo resíduo acumula ao total da operação;
  8. h) Com a economia da diferença da remuneração e os juros praticados poderemos amortizar parte do principal;
  9. i) Todo o plano deverá ser desenvolvido sob rígida austeridade financeira;
  10. j) Inicio da operação para Janeiro de 2015.

Pelo exposto, informamos que o C.O.F., por unanimidade, é de parecer que o referido plano seja APROVADO pelo Egrégio Conselho Deliberativo.

Contando sempre com sua inestimável colaboração agradecemos antecipadamente. Sem mais para o momento, agradeço antecipadamente.

Atenciosamente,

Alberto Strufaldi Neto, Presidente do Conselho de Orientação e Fiscalização.

O VEXAME DE PESCARMONA

pescarmona rebelo

No claro intuito de tumultuar a reunião, quando COF e CD já haviam se decidido pela aprovação da proposta, o conselheiro Wlademir Pescarmona, candidato a presidente do Palmeiras, tratado por alguns no clube com a alcunha “Pescachaça”, solicitou a palavra.

Indicou que seu grupo, apesar do parecer relatado, somente aceitaria o acordo se houvesse, antes do início do pagamento, programado para janeiro de 2015, uma carência de mais 12 meses, ou seja, para 2016.

Por consequência, iniciou-se o esperado bate-boca.

Que só foi resolvido quando Mustafá Contursi, após elogiar a conduta de Paulo Nobre e as ilações, sem prova, do grupo de Pescarmona, garantiu a aprovação da proposta, conseguindo que a carência sugerida, de doze meses, fosse amenizada para quatro meses, levando-se em consideração que o Palmeiras não receberá as receitas do Campeonato Paulista, já adiantadas, fator que poderia comprometer as contas do clube.

Dos 217 conselheiros, 176 aprovaram a sugestão de pagamento de Paulo Nobre e as condições de carência de Mustafá Contursi.

Apenas 24 votaram favoravelmente a proposta de Pescarmona:

Wlademir Pescarmona; Lennon Pescarmona; Eugênio Reynaldo Palazzi; Nobuyuki Yokoyama; Luis Fernando Vallejos Peredo; Alfredo Mantellato Júnior; Antônio Carlos de Carvalho; César Augusto da Silva Lemos; Edson Feliciano Pinto; Francisco Campizzi Busico; Francisco Campizzi Busico Junior; Antônio Gomes Pereira; Almir Gomes do Nascimento; Ademar Dias Baeta Filho; Nicolau Mancini Neto; Mário Benedito de Souza; Renato Recchi; Carlos Ricardo Degon; Antônio José Joiozo; Francisco Haroldo de Araújo; José Fernando De Divitiis; André Luiz Crepaldi Poincaré; José Luiz Portella Pereira; e José Eduardo Chaves.

Dezessete conselheiros foram contrários à integra do Plano de Pagamento:

Décio de Lima Júnior, Fábio A. C. Novaes, Antônio Carlos Blanes; Antônio Carlos de Carvalho; Mauro Marques; Rita de Cássia Miranda Cosentino; José Corona Neto; Renato Recchi; Sylvio Mukai; Carlos Ricardo Degon; Nicolau Mancini Neto; Nilton Eduardo Gatti; Fábio A. C. Novaes; Claudio Aparício da Silva Baptista Junior; José Ezequiel de Oliveira Filho; Décio de Lima Júnior; Eugênio Reynaldo.

Pró Memória: militar da CBF, que “comprou” R$ 19 mil em ingressos da Copa, desviou até dinheiro de crianças carentes

outubro 20, 2014

coronel foto

CBF e FPF, os principais centros de comando do futebol brasileiro, ao longo dos anos, tornaram-se cabide de empregos e favorecimentos a oficiais militares.

Um dos mais beneficiados foi o Coronel da Reserva do Exército, José Haroldo Castelo Branco (foto), que prestou serviços na gestão Ricardo Teixera, e, mesmo demitido após ser flagrado em ato desabonador pela CPI do Futebol, foi recontratado por José Maria Marin.

Não é a toa que, em acordo de amigos, o Coronel, novamente dispensado após a recente Copa do Mundo, recebeu valores surreais em sua rescisão.

Antes de divulgarmos, com documentos, detalhes sobre o montante, vale a pena recordar as irregularidades cometidas pelo militar, em 2005, que obrigaram, pela repercussão, o ex-presidente da CBF, fugitivo de “Boca Raton”, a demití-lo.

Concomitantemente com o cargo de Chefe de Segurança da Seleção Brasileira, Castelo Branco era Gerente Geral do IAFB ( Instituto de Assistência ao Futebol Brasileiro), órgão criado por Ricardo Teixeira, para financiar atividades esportivas para crianças carentes, no Rio de Janeiro.

Segundo o balanço de 2005, 95% da receita deveria ter sido aplicado no auxílio aos jovens inscritos no projeto, porém, flagrado pela CPI, o Coronel alegou ter utilizado o montante para pagar funcionários da entidade.

Além do desvio de finalidade, e da aparente fraude contábil, informações dão conta de que, em vez de 144 funcionários, como apresentado na justificativa, o órgão, que foi fechado por Teixeira, possuía apenas 26, todos demitidos após a exposição do escândalo.

Na foto, publicada no final da matéria, observamos, logo de cara, o Coronel Castelo Branco, porém, na 10ª fotografia, estás Moacyr Guedes Alcoforado Junior, braço direito do Coronel, que, mesmo beneficiado pelo desvio de verbas da IAFB, ou até por isso, foi contratado pela CBF.

moacir foto

Ambos trabalharam na Copa das Confederações e também na Copa do Mundo.

Após o “acerto” suntuoso para demissão de Castelo Branco, Moacyr permaneceu, e, além de chefiar a Coordenação Geral da Granja Comary, faz parte, também, da nova comissão técnica da Seleção Brasileira, trabalhando ao lado de Gilmar Rinaldi e Dunga, que, até o momento, não fizeram objeção a seu nome.

Ou seja, mesmo após conseguirem a proeza de serem demitidos sob acusação de corrupção por um recebedor de propinas, como era Ricardo Teixeira, fato este de conhecimento da CBF, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero não pestanejaram em lhes proporcionar novas “oportunidades”.

RESCISÃO DO CORONEL CASTELO BRANCO

Logo abaixo você confere documento original de rescisão do Coronel Castelo Branco, com valores de pai para filho, ou, talvez, sócio para sócio, pagos pelos dirigentes da CBF.

Salta aos olhos dados absolutamente estranhos:

No campo 23, temos R$ 224 mil recebidos como salário do mês de junho (vale lembrar que o vencimento mensal do militar era de R$ 15 mil).

Recebeu, também, R$ 170 mil, líquidos, pela rescisão, datada de julho, que perfazem um total aproximado de R$ 394 mil.

Não constam os valores referentes a FGTS, nem os 40% de multa.

coronel rescisão 1 coronel rescisão 2

TODOS OS HOMENS DO CORONEL CASTELO BRANCO NA “IAFB”, MUITOS PARENTES, QUE RECEBERAM AS VERBAS DESVIADAS DAS CRIANÇAS CARENTES DO RIO DE JANEIRO, E HOJE PRESTAM SERVIÇOS A CBF

parceiros coronel

1- Coronel José Haroldo Castelo Branco (Chefe)

2- Luiz Valentino Gallo (médico do Fluminense)

3- Patrícia Gonçalves Rangel (médica)

4- José Jorge da Silva (médico)

5- Luiz Caros da Cunha Gomes (médico)

6- Adilson Costa C. de Castro (médico das categorias de base da Seleção)

7- Aulos Silva Junior (médico)

8- Expedito Icaro Tenório de Barros (FERJ)

9- Paulo Audebert Menini Delage (Oficial do Exército da Reserva – trabalhou nas Copas do Mundo)

10- Moacyr Guedes Alcoforado Junior (de histórico descrito na matéria, manteve quase todos os ex-membros do IAFB trabalhando na Granja Comary, o novo cabide empregos dessa gente.

11- Rui Teófilo e Figueiredo (Oficial da Marinha do Brasil – parente do Coronel Castelo Branco)

12- Jorge Pereira da Purificação (trabalhou nas Copas do Mundo e é funcionário da Granja Comary)

13- Liliane Silva Cardoso (observadora)

14- Jorge Luiz C. de Lima Castro (oficial do exército – trabalhou nas Copas do Mundo)

15- Hélio Muniz da Costa  (oficial da reserva do Exército)

16- José Haroldo Castelo Branco Filho (filho do “chefão”, o Coronel)

17- Zenilton Bastos (oficial do exército)

18- Thiago Castro Fagundes (filho de Coronel, trabalhou em Copas do Mundo e está lotado na Granja Comary)

19- Dacler de Barros (sargento do Exército)

20- Jaci Monteiro da Silva (mesmo demitido da CBF foi colocado no IAFB)

21- Leandro Fonseca dos Santos

22- Marcelo Francisco Marinho dos Santos (filho do ex-tesoureiro da CBF, Ariberto Pereira dos Santos Filho, teve a mãe também trabalhando na IAFB, todos amigos de Antonio Osório Lopes Ribeiro da Costa, vulgo “Zozó”, que, assim como Ariberto e Rodrigo Paiva, era confidente de Ricardo Teixeira, razão pela qual, mesmo encostado na Casa Bandida, recebe valores próximos de R$ 100 mil mensais, tudo indica, para manter a boca fechada)

23- Luciano Conceição de Almeida (oficial do exército, trabalhou nas Copas e está na Granja Comary)

24- Roberto Valdemar Teixeira (de auxiliar passou a administrador das categorias de base da Seleção Brasileira – olhos do Coronel no lucrativo departamento)

25-Sergio Vieira Rangel ( de auxiliar passou a roupeiro das categorias de base. Não por acaso é dono de site que vende materiais esportivos, entre eles, os da Seleção, com sócio morador em Teresópolis)

26 – Valmir Miguel da Silva (motorista, informante de Marco Antonio Teixiera, inimigo de Del Nero, com informações repassadas em conversas reservadas no interior de veículos. Também vende materiais esportivos)

Vale a pena rever, no link abaixo, os termos na rescisão milionária de RODRIGO PAIVA, olhos e bolso de Ricardo Teixeira na CBF:

http://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/08/08/bolso-olhos-e-ouvidos-de-ricardo-teixeira-rodrigo-paiva-recebeu-r-31-milhoes-em-rescisao-da-cbf/

Taradão “PP” ataca no Facebook

outubro 19, 2014

image

Lucas Alves Caetano está se apresentando como fotógrafo no Facebook e tem enviado fotos de seu limitado pênis a diversas garotas nas mais diversas rede sociais.

Uma delas, Ello Moreira, tratou de denúncia-lo e expor a situação.

Fez muito bem.

Ha menores de idade entre suas vítimas.

image

O marginal diz trabalhar no “Photo Studio Eimagem”, que tem por obrigação esclarecer se a informação é verdadeira, e, em sendo, tomar as providências necessárias.

Espera-se também que leitores do blog, que, por ventura, o reconheçam, tratem de denúncia-lo, evitando assim que a situação se agrave ainda mais.

image

 

Caso “Petrolão” do PT: não há sentido em contar mentiras na Delação Premiada

outubro 19, 2014

pt petrobras

(Trecho da Coluna de FERREIRA GULLAR, na FOLHA)

(…) É o caso espantoso do que ocorreu na Petrobras e que, a cada dia, escandaliza mais a nação.

Às revelações envolvendo figuras e partidos do governo, a presidente da República alegou não poder levar em conta acusações sem prova.

Por sua vez, o PT, principal implicado, tratou de qualificar as denúncias de calúnias.

Paremos para pensar.

Essas acusações foram feitas por Paulo Roberto Costa, como delação premiada, que só terá sua pena reduzida se o que disser for verdade.

Se não for, ele não ganhará nada com isso, a não ser, para o resto da vida, o ódio daqueles que acusou injustamente.

Para fazer isso, o cara, além de corrupto, teria que ser débil mental.”

Saiba como o Corinthians “doou” o jogador Malcom para conselheiro do clube

outubro 19, 2014

gobbi roberto duilio

Não é mais segredo para o torcedor do Corinthians que os atletas do clube estão fatiados entre diversos empresários, dois deles, Carlos Leite e Fernando Garcia, com o pedaços, digamos, mais suculentos do bolo.

Entre os agenciados, está o atacante Malcom.

Mas não estava, pelo menos até maio de 2013.

Documentos oficiais, do Departamento de Registros da CBF, mostram que desde o dia 30/10/2009, Malcon foi registrado como jogador “amador” do Corinthians, com 100% de seus direitos pertencentes ao clube.

Porém, no dia 02 de maio de 2013, quando já se sabia que o atleta seria relacionado para disputar a Copa São Paulo de Juniores, vitrine dos sonhos dos empresários, o Corinthians, que antes pagava R$ 3 mil mensais ao atleta como ajuda de custo, registrou-o como profissional, para que pudesse, oficialmente, pagar-lhe o salário de R$ 10 mil.

O contrato é valido até 02 de maio de 2016.

Na mesma data, no entanto, cedeu 30% dos direitos do jogador ao conselheiro do clube Fernando Garcia, que na ocasião cobrava dívida de empréstimo que havia realizado ao Timão, à margem do conhecimento do Conselho, mas com anuência do presidente Mario Gobbi.

Malcom virou sensação instantânea ao ser alçado à equipe principal do clube, há um mês, quando marcou seu primeiro e único gol na equipe, apesar de já ter disputado 16 jogos.

Foi o suficiente para se falar em aumento de salário e migração de novo percentual do atleta para o grupo representado por Garcia.

Até o presente momento, a operação não aconteceu, e Malcom ainda recebe os mesmos R$ 10 mil mensais.

É, portanto, preciso ficar atento para os procedimentos que estão, desde já, sendo sugeridos pela mídia, com o auxílio de notas plantadas de interesse fictícios de clubes estrangeiros pelo atleta.

Não há razão técnica, apenas empresarial, para que um atleta do clube, com contrato vigente até 2016, receba aumento de salário, tendo assinalado apenas um gol no profissional, e com a clara necessidade de ainda se firmar no elenco.

Muito menos para que novos percentuais sejam repassados a quem quer que seja, ainda mais a um conselheiro alvinegro, sendo que cabe ao Corinthians o pagamento integral do salário do atleta, quando, em tese, o “dono” dos 30% deveria contribuir, proporcionalmente, com os vencimentos.

Mas, assim como ocorre noutros clubes espalhados pelo país, os ‘espertalhões” colocam o jogador na vitrine, usufruem da estrutura, da mídia e demais benefícios, nada pagam e ainda lucram, milhões, nas revendas, com a única obrigação de dividir as receitas com os dirigentes que lhes facilitam a vida.

Por muito menos, os membros que hoje fazem parte da gestão no Parque São Jorge expulsaram  o ex-presidente Alberto Dualib do Corinthians, aparentemente, para aprimorar e profissionalizar, as práticas antes denunciadas..

EM TEMPO: o diretor de futebol do Corinthians, à época da “doação” de Maicom para o conselheiro Fernando Garcia, era Roberto “da Nova” Andrade, candidato a presidência alvinegra, que, recentemente, foi tratado como “ladrão”, publicamente, pelo próprio empresário.

malcom cbf

O mensalão da CBF

outubro 19, 2014

vicente candido

O presidente da CBF, José Maria Maria Marin, não tem medido esforços para, financeiramente, garantir a perpetuação no poder do grupo que representa.

Há algum tempo, as 27 Federações nacionais recebem uma mensalidade que é discriminada como “ajuda de custo”.

R$ 100 mil cada, num total de R$ 2,7 milhões.

Agora, tirante o valor descrito, Marin decidiu que os presidentes destas entidades terão direito a um “salário” pago pela Casa Bandida: R$ 15 mil mensais.

Ou seja, mais R$ 405 mil.

Somados, os valores, anualmente, correspondem a exorbitante quantia de R$ 37.465.000, levando em consideração os doze meses de “ajuda” e os treze (13º incluso) de salários.

Vale lembrar que todas as Federações possuem sistema de arrecadação independente da CBF, ou seja, cobram dos clubes locais para manter seus custos, injustificando o “cuidado” de Marin.

A intenção de manter o cabresto é evidente.

Uma espécie de Mensalão, ainda mais dissimulado que o do PT, que só foi escancarado, diferentemente do que ocorre na CBF, após investigações de órgãos policiais federais.

Vale lembrar que Vicente Candido (PT), um dos caciques do partido, tem ótima relação com Lula e Dilma Rousseff, trabalhou para o mafioso russo Boris Berezovsky e é sócio do próximo presidente da CBF, já eleito, Marco Polo Del Nero, que é presidente ad FPF e vice de Marin.

Mano Menezes dissimula, novamente, para PVC

outubro 19, 2014

mano-menezes.jpg

É sabido no meio jornalístico que boa parte dos conhecimentos táticos do jornalista PVC, da FOLHA e ESPN, é oriundo de muito estudo, mas também do ótimo relacionamento que mantém com os principais treinadores de futebol do país.

Um trabalho de bate-papo, executado de maneira competente, mas que, por ser diário, transforma-se numa faca de dois gumes.

Garante a afeição de muitos, como Mano Menezes, se tornando, por vezes, até confidentes, e a rejeição de alguns, incomodados com o assédio profissional.

Faz parte do jogo.

O jornalista, na questão técnica e tática, sua especialidade, passa a ser cada vez mais bem informado, mas, como ocorre em vários relacionamentos, pode, por vezes, ser enganado ao avaliar pessoalmente os treinadores, que, por razões óbvias, sempre mostrarão a face mais bonita no espelho.

PVC defendeu as convocações de Mano Menezes no período de Seleção Brasileira, após escutar do próprio e de seu agente, Carlos Leite, que “apenas” dois ou três, entre os atletas chamados, pertenciam ao grupo.

Enganaram-no escondendo a mentira atrás da verdade.

No papel, Leite assinava pela quantidade revelada, mas, ocultamente, entre dezenas de “parcerias”, com “laranjas” no contrato, além da venda de “espaços” para atletas ligados a Franck Henouda, do Shahktar Donetsk, e Kia Joorabchian, de tantos outros, lucraram como poucos na curta passagem pela CBF.

Agora, mais calejado, PVC publicou a versão de Mano Menezes para a atuação situação do Corinthians:

“Mano Menezes tem uma decepção e uma explicação para o desempenho ruim do Corinthians depois de dez meses de trabalho. Julga que a transformação do elenco foi maior do que imaginava quando chegou em janeiro. Sua primeira escalação em 2014 tinha Edenílson, Paulo André, Guilherme, Romarinho, Rodriguinho e Pato.

Em vez deles, o time atual tem Luciano, Ânderson Martins, Bruno Henrique e Petros. Todos chegaram com a temporada em andamento e Malcom também virou titular.”

Trata-se de clara dissimulação.

Mano Menezes tenta se isentar dos negócios feitos no departamento de futebol alvinegro, todos, sem exceção, por exigência de seu grupo ou de parceiros.

Dos citados como “chegados com a temporada em andamento”, está Luciano, que é agenciado por um traficante, Ângelo Canuto, o “Padrinho”, amigo pessoal do presidente delegado Mario Gobbi – assinou o contrato na mesa do dirigente, prática inusual no Parque São Jorge – preso após enviar quatro toneladas de cocaína ao exterior.

Anderson Martins é de Carlos Leite, Bruno Henrique, do “parceiro” BMG – o banco do Mensalão, que costuma bancar jogadores ligados a Andres Sanches.

Petros e Malcon são representados pelo conselheiro alvinegro Fernando Garcia, que sabe “agradecer” bem todos seus colaboradores.

Treinador, inclusive.

A avaliação do jornalista, descrita no final de sua matéria, sobre o trabalho de Mano Menezes no Corinthians, sob a ótica da renovação de grupo de atletas, é a de que “(…) ninguém tem muita paciência com os trabalhos que não dão resultado em passe de mágica. Antes de Levir emplacar, o Atlético-MG também cogitou contratar Tite.”

Faz sentido.

Seria até correta – não concordamos, especificamente, nestes caso – se a tal transição não tivesse sido feita com aval, e lucro, do próprio treinador e de seus associados.

Fernando Prass: o lúcido goleiro do Palmeiras

outubro 19, 2014

prass

(Trechos da entrevista concedida por FERNANDO PRASS, goleiro do Palmeiras, à FOLHA)

“Um presidente vem, quebra o clube e, quando sua gestão acaba, ele vai para a sua casa, para a praia e deixa o problema para o próximo.”

“Sem regulamentações sérias, o futebol é o terreno mais fértil que existe para fazer qualquer tipo de falcatrua”

“É só no futebol, por exemplo, que um empregador que deve milhões para funcionários pode contratar mais gente, prometendo outros milhões, que também não vai pagar, e não acontece nada”

Dilma Rousseff (PT) e as Leis de Trânsito

outubro 18, 2014

dilma moto

No último debate entre presidenciáveis, realizado no SBT, a presidente Dilma Rousseff (PT), antes do “mal-súbito’, demonstrou indignação com o fato do oponente, Aécio Neves, ter sido flagrado em infração de transito ao recusar-se a realizar o teste de bafômetro.

Mesmo com o Tucano admitindo o equívoco, Dilma permaneceu no assunto, finalizando com um “eu não  saio por ai dirigindo bêbada ou drogada”.

Difícil saber se falava a verdade, mas, é fato que a mandatária do País não é exemplo de cumprimento de regras no trânsito brasileiro.

Em dezembro de 2013, a presidente foi flagrada em infração gravíssima do Código, com a mesma pontuação de dirigir sob efeito de álcool, ao levar no colo, no banco de trás de um veículo, um de seus netos, sob risco de vida do garoto, que estava sem cinto, em caso de colisão.

Pior ainda ocorreu em agosto do mesmo ano,em que Dilma Rousseff (PT) driblou a segurança do planalto e saiu para dar umas voltas de moto em Brasília, sem estar habilitada para tal.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/08/1330691-dilma-driblou-segurancas-e-saiu-de-moto-pelas-ruas-de-brasilia-diz-ministro.shtml

Ao ser abordada pela ação, que colocou em risco sua vida e a de pedestres, sem contar o prejuízo para o país em caso de vacância do cargo, a petista, com a irresponsabilidade que costuma atribuir a adversários, respondeu: “Senti melhor os ares de Brasília.”

Pelo que se observa, o apreço de Dilma pelas Leis de Trânsito existe apenas durante o período de Debate.

dilma e neto

Corinthians paga R$ 30 mil mensais para jogador, filho de conselheiro, esquentar o banco na segunda divisão de Portugal

outubro 18, 2014

andre vinicius

Adepta dos métodos petistas de gestão, a Diretoria do Corinthians, desde que o grupo autodenominado “Renovação e Transparência” assumiu o poder, passou a beneficiar, financeiramente, diversos conselheiros aliados, em flagrante irregularidade com o que rege o Estatuto do clube.

Uma espécie de “Mensalão”.

Entre os beneficiados está André Luiz Oliveira, vulgo André Negão, braço direito do ex-presidente Andres Sanches.

Além de receber comissão sobre a contratação do jogador Defederico, que ocasionou grave prejuízo financeiro ao Timão (revendido, há poucos meses, por Sanches aos Emirados Árabes sem que o clube recebesse um tostão), o conselheiro conseguiu beneficiar seu filho, o zagueiro André Vinicius, com interessante e longo contrato com o departamento de futebol alvinegro.

Eis o histórico, retirado de documento oficial do Departamento de Registros da CBF:

andre vinicius cbf 3

Em 10 de outubro de 2007, 24 horas após a posse de Sanches, o Corinthians registrou o primeiro contrato profissional de Vinicius, valido por cinco anos, até 2012, pagando-lhe R$ 3 mil mensais.

Absolutamente inusual em se tratando de um jogador que sequer havia se firmado na base alvinegra.

Menos de três anos depois, em fevereiro de 2010, dois antes do encerramento do vínculo, o contrato foi prorrogado até fevereiro 2015, sem que Vinicius tivesse entrado em campo, com o agravante de ter sido vitimado por  contusões que renderam três cirurgias de joelho.

O salário passou, então, a ser de R$ 7 mil, que o jogador recebeu pelo clube, mas estava emprestado ao Nacional-SP.

Sem se firmar, o zagueiro, em fevereiro de 2012, foi novamente emprestado, desta vez ao Paraná Clube, com acerto registrado até novembro de 2012.

Não deu certo, e, quatro meses depois, Vinicius seguia para o Bragantino, com salário pagos pelo Corinthians, novo aumento para R$ 11 mil, e vínculo acertado até maio de 2013.

Sem justificativa técnica, tendo jogado apenas 18 partidas no período, o novo presidente do Timão, delegado Mario Gobbi certamente no intuíto de aparar arestas que já surgiam com o ainda aliado, mas agora desafeto, André Negão, dois anos antes de vencer o contrato de Vinicius com o clube, concedeu-lhe substancial aumento salarial, quase 200%, passando dos anteriores R$ 11 mil à R$ 30 mil mensais.

Porém, pagou para mantê-lo no Bragantino, com nova prorrogação de empréstimo, valida de maio de 2013, até maio de 2014.

Com seu filho sem espaço na equipe do interior paulista, André Negão nem esperou o período vencer, e, em janeiro de 2014, levou-o, de mala e cuia, para a Portuguesa.

Mais um fracasso.

Porém, novamente “premiado”, com aumento salarial para R$ 40 mil mensais, pagos pelo Corinthians, mas com novo empréstimo ao Paraná Clube.

O contrato com o Corinthians, que venceria em fevereiro de 2015, sem que Vinicius sequer tenha pisado em campo, nem justificasse, em suas diversas oportunidades de empréstimos, merecer o “reconhecimento”, foi novamente prorrogado, desta vez até dezembro de 2015.

Em julho de 2014, três meses atrás, sem alarde, por intermédio de ação do dirigente Afonso Armonia – acusado de facilitador de esquemas na base alvinegra – gerente de um escritório mantido pelo Corinthians em Portugal, o jogador, filho de André Negão, assinou contrato de empréstimo, até junho de 2015, com o CF União da Madeira, da segunda divisão local

Os salários ?

Continuam a ser pagos pelo Corinthians, porém com redução de R$ 40 mil para R$ 30 mil, ainda assim, incompreensíveis pelo histórico que comprovamos com documentos oficiais da CBF, mas suficiente para acirrar ainda mais o litígio entre Gobbi e André Negão, que, na verdade, deveria ser grato ao delegado pelas ações quase “beneméritas” para seu rebento, apesar de lesivas aos caixas alvinegros.

Em Portugal, dos 18 jogos de sua equipe, que ocupa a quarta colocação da segunda divisão, André Vinicius jogou apenas um, pelo qual, por sinal, foi pessimamente avaliado.

andre vinicius cbf 2

andre vinicius cbf 1

Masters do Palmeiras jogará em Tarumã/SP, mas escola de idiomas receberá o cachê

outubro 18, 2014

valtão

À margem do conhecimento do clube, a Escola de Idiomas “First One”, acertou partida amistosa de uma equipe tratada como “masters” do Palmeiras, para amanhã (19) na cidade de Tarumã-SP.

Receberá R$ 20 mil, segundo contrato nº 101/2014, assinado no último dia 14, com direito a dispensa de licitação, pelo Prefeito Jairo da Costa e Silva (PSDB) , vulgo “Jairão”, que quase foi cassado em 2012, acusado de compra de votos.

Assina pela “Sociedade Esportiva Palmeiras”, ou seja, representa o clube, aparentemente de maneira ilegal, a Risso & Risso – Cursos e Eventos Ltda – ME, nome verdadeiro da “First One”, que tem como proprietária, no papel, Elaine de Fátima Risso, esposa de um inexpressivo ex-jogador, que atuou na base palestrina, de nome Valtão (foto).

Sem contar o fato do “cachê” sequer passar perto do caixa palmeirense, há sempre o risco da imagem do clube ser prejudicada se tratada, de maneira inadequada, por terceiros que não tem obrigações com a entidade.

A política esportiva do Partido Comunista do Brasil

outubro 18, 2014

coliseu ceará

Por ALBERTO MURRAY NETO

No dia 23 de setembro de 2014 a Folha de São Paulo publicou uma matéria de André Uzeda com o título “Governo Federal Financia Metade de Coliseu no Sertão Cearense”. Por coincidência, foi no mesmo dia em que estive no Tribunal de Contas da União (“TCU”), fazendo uma exposição sobre os gargalos da corrupção e dos desmandos de dinheiro público no esporte. A construção desse “Coliseu” foi um dos exemplos que dei ao TCU de como é tratada a questão do dinheiro público no esporte.

Na cidade de Alto Santo, a 230 km de Fortaleza, o governo federal financiou metade da construção de um estádio de futebol para 20 mil habitantes. Alto Santo tem 16 mil habitantes. A obra custou R$ 1,3 Milhão de dinheiro do povo, dividido entre o governo federal e a prefeitura. O Ministério do Esporte repassou R$ 619 mil para a construção desse estádio. E como se tudo isso não bastasse, o estádio de futebol imita, em sua fachada , o Coliseu de Roma. O mau gosto e o deboche vêm de todos os lados.

A cidade de Alto Santo não tem time de futebol nas primeiras divisões do futebol nacional e nem é essa obra faraônica que a fará ter. E ainda que tivesse, a prioridade do seu povo não é um estádio de futebol para 20 mil pessoas, que imita o coliseu de Roma. A cidade de 16 mil habitantes fica no sertão do Nordeste, uma área carente de tanta coisa, que o erguimento de um estádio/coliseu é um acinte ao povo local. Ali são necessárias escolas, postos de saúde, moradia decente, agricultura, estradas melhores e até mesmo uma infraestrutura esportiva para que a população jovem e adulta tenha acesso, democraticamente, à prática de esporte.

Se o Brasil fosse minimamente responsável, esse projeto de construção de Coliseu/Estádio em uma das regiões mais pobres do País, não teria sequer saído do papel. Estaria repousando nos devaneios dos políticos que tiveram a ideia. E, ao sair do papel e, pior, se construído com dinheiro público, todos envolvidos estariam sendo questionados, investigados e punidos. Mesmo que, por hipótese, não tenha havido desvio, ou superfaturamento de dinheiro na construção do Coliseu/Estádio de Alto Santo, no Ceará, já é por si só criminoso.

Alto Santo é um dos 175 municípios daquele Estado que declararam situação de emergência por falta de água. Mas agora, em compensação, a cidade de 16 mil habitantes tem um misto de estádio com coliseu romano para 20 mil pessoas.

O caricato Ministro Aldo Rebelo continua no cargo, os índices de inflação começam sair do controle e sol segue brilhando  forte no pobre sertão nordestino.

Coluna do Fiori

outubro 18, 2014

fiori

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

“Alguns viajam pelo mundo todo, mas nunca tiveram a coragem ou habilidade para viajar dentro de si mesmos…”.

Augusto Cury

———————————————————-

A “competência” administrativa na CA-CBF

Vez e outra, dependendo do andar da carruagem pilotada por Sergio Correa da Silva, ex-presidente do SAFESP e atual presidente da CA-CBF; procuro relembrar que o prepotente e todo poderoso, alegando que daria oportunidade aos novatos, afastou e prejudicou alguns árbitros

Indago

1º – Qual a razão de ter escalado Flávio Rodrigues Guerra, árbitro rodado nos vários campeonatos da Federação Paulista de Futebol e CBF, que arbitrou a contenda Palmeiras x Vasco da Gama, referente à Copa do Brasil de Futebol Sub 20, disputada na Quarta Feira 14/10; com resultado: 2 x 0 pro Vasco da Gama?

2º – Cadê a propalada renovação?

Série A do Brasileirão – 2014

Sábado 11/10

Palmeiras 2 x 1 Grêmio

Árbitro: Sandro Meira Ricci (FIFA- PE)

Item Técnico

Penal favorável ao Grêmio

Quando de bola cruzada da direita do ataque gremista pro interior da área

- do Palmeiras, Valdivia subiu com os braços acima da cabeça, assim que

- a bola foi tocada, Sandro Meira Ricci, marcou penalidade; no ato, disse:

- acertou; horas depois, através vídeo, ficou claro que a redonda tocou na

- cabeça do Valdivia. Em meu entender, caberia ao árbitro adicional 02:

- Emerson Luiz Sobral (PE), comunicar Sandro Meira Ricci sobre a

- regularidade do lance

Item Disciplinar

Expulsão Injusta: Barcos, atacante do Grêmio deveria ser expulso quando

- cometeu a primeira e maldosa falta, no entanto, praticando a conhecida

- média, o politiqueiro Sandro Meira Ricci, o advertiu com cartão amarelo;

- assim que cometeu à segunda (nem amarelo merecia) recebeu o segundo

- seguido do vermelho

Rematando

No todo da refrega, os gremistas bateram a vontade, em especial,

- Felipe Bastos, tanto é; que foi substituído por este motivo.

Botafogo 1 x 0 Corinthians

Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)

Item Técnico

Acertou na marcação da penalidade áxima cometida por Fábio Santos,

- defensor do Corinthians; explico:

- Fabio Santos tinha o braço esquerdo colado em seu tórax, no momento

- sutilmente, Fabio Santos, descolou o braço do tórax, para levar vantagem

Item Disciplinar

Desempenho aceitável

Domingo 12/10

Atlético-MG 1 x 0 São Paulo

Árbitro: Marielson Alves Silva (BA)

Itens Técnico/Disciplinar

Os representantes das leis do jogo não foram exigidos

Criciúma 3 x 0 Santos

Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortes (FIFA- RJ)

Itens Técnico/Disciplinar

Sem problemas

Copa do Brasil 2014

Quarta Feira 15/10

Atlético-MG 4 x 1 Corinthians

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (FIFA-RS)

Itens Técnico/Disciplinar

Os representantes das leis do jogo não foram exigidos; trabalho aceitável

Política

PREPARA-TE, MINAS GERAIS

Nascedouro da nacionalidade, berço da liberdade e sacrário dos valores eternos, minha Minas Gerais não ficará silente nem deserdará seus filhos neste momento tenebroso por que passa o Brasil.

Nuvens negras já despontam no horizonte da Pátria com vistas a turvar e demolir a nossa democracia penosamente construída.

Homens inescrupulosos, impatrióticos e vendilhões se apoderaram do poder em todos os níveis e nele pretendem se perpetuar, impondo-nos ideologia e regime político alienígenas, incompatíveis com nossa tradição, nossas aspirações e com a nossa história.

Estes se espelham no decadente facínora Fidel Castro, nos inconcebíveis regimes ditos bolivariano, da Venezuela, e nos mais sanguinários ditadores do mundo.

Aspiram se eternizar no poder mediante o covarde silêncio do Congresso Nacional e da recente decisão do STF no escandaloso caso de corrupção denominado “mensalão”.

O povo, em boa parte analfabeta, carente e dependente das tais bolsas compra votos (bolsa família, bolsa gás, bolsa escola, bolsa prostituta, etc …) não vislumbra, por absoluta incapacidade de discernir, o perigo que se avizinha.

Já perdemos nossa identidade cívica, social e moral e, não demorará perderemos a liberdade caso prossigamos nesta trilha maldita de corrupção e cinismo implantada pelo PT comandado por Lula.

É revoltante assistir à presidente empunhando entusiasticamente a bandeira cubana ao lado do ditador ilhéu; congressistas ostentando nas paredes de seus gabinetes a foto do sanguinário Che Guevara e o presidente da Câmara a afrontar em momento solene o Ministro Joaquim Barbosa, Presidente do STF.

Avulta-se, com desenvoltura nunca vista, o aparelhamento do Estado, a compra de parlamentares, o sucateamento das Forças Armadas, o manietar da Polícia Federal e, pior, o silêncio complacente das instituições, especialmente dos Ministérios Público Federal e Estaduais e a leniência de boa parte do Judiciário além do andar paquidérmico dos processos.

Os políticos, por seu turno, perderam a hombridade e se quedam em covarde passividade diante desses descalabros. Não há oposição para combater tantos desmandos; nenhuma voz se alteia contra este estado de coisas, no Congresso submisso.

Empréstimos secretos são feitos a ditaduras; dívidas de países governados por ditadores são perdoadas sem que a opinião pública brasileira seja consultada; investimentos milionários são feitos em Cuba sob o suspeito crivo de “secretos”; igualmente “secretos” e suspeitos são os gastos com cartões corporativos, as viagens da secretária do ex-presidente e as despesas com viagens internacionais, enquanto ministérios inúteis foram criados para arrebanhar cúmplices neste nefasto aparelhamento do estado petista.

Não há uma ação sequer do governo petista que seja clara e induvidosa. Sobre todas pairam suspeitas e inexplicável silêncio dos governantes.

O Supremo Tribunal Federal, salvo as notórias exceções, hoje mais ainda realçadas, resvalou para o julgamento de conveniência e já não há um cidadão que lhe renda o devido respeito.

As Forças Armadas – silentes por enquanto- se submetem a inaceitável e proposital sucateamento e ainda são humilhadas pela unilateral Comissão da Verdade.

Nossas fronteiras, deliberadamente escancaradas ao narcotráfico, ao contrabando e ao descaminho, às FARC e aos médicos cubanos, são indícios de que estamos perdendo nossa soberania e o controle do que se passa em nosso território.

Adicionem-se a este quadro nebuloso da nacionalidade as suspeitas demarcações de terras indígenas, a desenvoltura do MST, (este claramente estimulado e financiado pelo Planalto) e tem-se o caldo da desobediência civil, do atrito entre irmãos e do caos social.

A violência urbana, já incontrolável, domina todas as comunidades do país; as drogas já escravizam milhões de brasileiros e, segundo consta, já passa de um milhão a coorte de menores zumbis que vaga pelas cidades, dependentes que são do “crack”.

Saúde pública vergonhosa, ensino público sofrível, segurança pública nenhuma.

Direitos humanos só para transgressores da lei em inaceitável inversão de valores.

No malsinado governo Goulart, no qual as ameaças foram muito mais tímidas, Minas Gerais se levantou e espantou o fantasma que nos rondava.

Na verdade, o Brasil é hoje, apesar da sua grandiosidade, país satélite das diminutas (em todos os sentidos) republiquetas sul-americanas.

Pergunto então: onde está a Maçonaria?

Onde estão as comunidades religiosas?

Onde estão os Clubes de Serviço apologistas das liberdades? Onde estão os homens de bem deste país? Onde estão as forças vivas da comunidade brasileira? Onde está a imprensa?

Estão fingindo nada ver e nada ouvir e fazendo cara de paisagem diante da borrasca político/social que se avizinha.

Creio e espero que agora, se necessário for, Minas novamente se levantará contra o caudilhismo e o comunismo que aí estão à vista e já avizinhados, para honrar a tradição de liberdade que naquelas montanhas é cultuada desde os primórdios da colônia.

Se assim for, estimarei ser convocado e serei um entusiasmado voluntário.

Se o outro nome de Minas é Liberdade como acentuou Tancredo Neves, ela, a Liberdade, daquelas montanhas jamais se arredará.

Tenho fé.

Mozart Hamilton Bueno*

*Juiz de Direito aposentado e Professor

—————————————————————

Finalizando

“Entre um governo que faz o mal e o povo que o consente, há certa cumplicidade vergonhosa”.

Victor Hugo

—————————————————————-

Chega de Mentiras, de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP- 17/10/2014

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

Democracia em Preto e Branco. Imperdível !

outubro 18, 2014

image


%d blogueiros gostam disto: