Não convocação de Gabigol foi ordem expressa de Gilmar Rinaldi(o)

maio 2, 2015

gabigol

Por não fazer parte do “esquema” Gilmar Rinaldi(o), intermediado pelos “laranjas” Evandro Ferreira e Diogo Sousa, com anuência de Gallo, o jogador Gabriel, tratado carinhosamente pela torcida do Santos como “Gabigol”, deixou de ser chamado para a Seleção Brasileira Sub-20.

A ordem, expressa, foi de Gilmar Rinaldi(o).

Além de não proporcionar lucro aos envolvidos, Gabigol é agenciado pelo empresário Wagner Ribeiro, que, recentemente, falou abertamente sobre a necessidade de “agradar” algumas pessoas na CBF para fazer parte do elenco nacional.

Situação esta (da não convocação de jogadores do empresário) que só mudará com acerto entre as partes, em que ofendidos e ofensores são tomados por amnésia e esquecem acusações e acusadores, em prol do caixa paralelo que envolve o futebol brasileiro.

Coluna do Fiori

maio 2, 2015

fiori

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

É como diz o ditado: O futebol é uma caixinha de propinas.

Samuel Santos

———————————————

1

Taparam o Sol com Peneira

No dia 29/04, almoçando com três pessoas, instado a discorrer sobre o nome do árbitro que iria atuar na contenda final da Série A1 do Paulistão 2015, afirmei: Dia antes do “sorteio” das quartas de finais, os membros da CA-FPF relacionaram o nome de dez árbitros, asseverando que os quatros primeiros “sorteados” estavam fora dos demais.

Muito bem, dias após, pouco antes do “sorteio” das semifinais, sem qualquer explicação, o nome dos árbitros Flavio Rodrigues Guerra e Rodrigo Guarizo do Amaral, foram retirados, restaram quatro árbitros, dois deles, trabalharam nas semifinais, conforme exposto pelo presidente da comissão, da listagem de dez nomes, permaneceram: Luiz Flavio de Oliveira e Vinicius Furlan

Voltaram atrás

Ora! Se ligando que pisaram na bola, na condição de terceiro participante da primeira partida das duas finais, os cérebros da CA-FPF recuaram e escolheram Guilherme Ceretta de Lima, que houvera arbitrado nas quartas de final: Santos x XV de Piracicaba; na seqüência, apresentaram o tabuleiro constando os três nomes, mexe daqui e de lá, como passe de mágica, surpreendentemente, Vinicius Furlam foi premiado.

Partida final

Continuando com nossas previsões quanto ao nome do árbitro para a partida final, disse para os três participes do almoço: Pra não queimar os caras da CA-FPF, não será novidade o não sortear do Luiz Flavio de Oliveira; dentre os possíveis nomes, apontei Guilherme Ceretta, ressaltando que sabia arbitrar, no entanto, era prepotente e possivelmente, péssimo colega

Não erramos

Na tarde da quinta feira 30/04 por volta das 17h00min o tabuleiro voltou a ser mexido, desta feita, colocaram os nomes de: Luiz Flavio de Oliveira, Raphael Claus, que havia arbitrado Santos x São Paulo, partida alusiva as quartas de finais e Guilherme Ceretta de Lima; bandeja chacoalhada de lado a outro, não foi diferente: Guilherme Ceretta será o árbitro da partida final

————————————————————————–

Primeira das duas finais da Serie A1 do Paulistão 2015

Domingo 26/04

Palmeiras 1 x 0 Santos

Árbitro: Vinicius Furlan

Árbitro Assistente 01: Carlos Augusto Nogueira Junior

Árbitro Assistente 02: Anderson Jose de Moraes Coelho

Quarto Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima

Item Técnico

No todo da refrega o árbitro Vinicius Furlam cometeu uma série de erros; como principais:

Impedido

No lance que antecedeu a cruzada da bola para o interior da área santista, resultando no tento da vitória do Palmeiras, marcado por

– Leandro Pereira, seu consorte Robinho, estava na posição de impedimento, de costas para a linha de fundo, tendo ao lado um dos

– defensores santistas na expectativa de suas ações; portanto, Robinho observou e bem, que, a sua frente, lado direito do ataque de

– sua equipe, próximo da linha lateral vigiada por Anderson José de Morais, assistente 02, que seu consorte Lucas corria em direção

– à linha de fundo da defesa santista; assim que a redonda chegou perto, Robinho, com leve movimentar da cintura e dos pés,

– praticou o conhecido corta luz, ato que transgrediu ao inserido em um dos itens da regra XI:

– Intervir indiretamente no lance, tendo como objetivo levar vantagem

Não apontou e errou

Deixou de sinalizar penalidade máxima favorável ao Palmeiras quando do leve toque, ao mesmo tempo, claro deslocar promovido pelo santista Geuvânio, no momento que seu oponente Rafael Marques preparava o chute

Acertou

Por ter sinalizado a penalidade máxima cometida por Paulo Ricardo, zagueiro santista no oponente Leandro Pereira, em lance

– faltoso iniciado pouco antes da linha da grande área, que prosseguiu pouco após a entrada da área, proporcionando ao assistente

– Carlos Augusto Nogueira Junior a certeza que deveria indicar ao árbitro que houve infração; neste momento, Vinicius Furlam, bem

– distante do fato, trilou o apito apontando a marca da cal, ali chegando, precipitadamente, expulsou o atleta David Brás, que, de

– imediato e educadamente, se dirigiu ao árbitro dizendo não ter participado do caso, avisado por um dos seus pares, Vinicius Furlan

– corretamente, retificou o erro, expulsando o atleta Paulo Ricardo

Movimentação

Durante o transcorrer da refrega observei o distanciar do árbitro na maioria do ponto das disputas

Item Disciplinar

Não convenceu

Copa do Brasil 2015

Quarta Feira 30/04

Sampaio Correa 1 x 1 Palmeiras

Árbitro: Antonio Dib Morais de Souza (PI)

Árbitro Assistente 01: Rogério de Oliveira Braga

Árbitro Assistente 02: Francisco Nurisman Machado Gaspar

Itens técnico/disciplinar

Ao menos em duas ocasiões os fraquíssimos representantes das leis do jogo prejudicaram a equipe do Sampaio Correa por terem sinalizado impedimento do atleta Pimentinha; ao menos, em uma delas, com possibilidades de marcar o gol

No todo

Por este trabalho, estou convencido que: Para serem ruins; terão que melhorar e muito

Política

Lulinha: do caminho das antas ao apartamento de R$ 6 milhões. Ou: O filho que sai do pai não degenera. Ou ainda: O sítio das delícias 

Os Lula da Silva têm mesmo um jeito heterodoxo de viver. Chega a ser estranho que o chefão do PT tenha querido, algum dia, como é mesmo?, mudar o mundo… Ora, mudar para quê? A partir de certo momento, vamos admitir, esse mundo só sorriu para ele. E continua a sorrir para a sua família. Reportagem de capa da VEJA desta semana expõe a proximidade entre o agora ex-presidente da República e o empreiteiro baiano Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, um dos presos da operação Lava Jato. Proximidade que pode fazer com que o escândalo do petrolão ainda exploda no colo do companheiro-chefe. É que Pinheiro começou a fazer algumas anotações… Leiam a reportagem da revista desta semana. Quero aqui abordar um aspecto em particular.

A VEJA informa que Fábio Luís da Silva — vulgo “Lulinha” — mora num apartamento, numa área nobre em São Paulo, avaliado em R$ 6 milhões. É isso mesmo que vocês leram. O apartamento do filho do Primeiro Companheiro é coisa de ricaço. Mas parem de ficar imaginando maldades. O dito-cujo não está em nome do rapaz! Não! Oficialmente, o dono do imóvel é o empresário Jonas Suassuna, que é apenas… sócio de Lulinha.

Esse rapaz, note-se, é, desde sempre, um portento. Lula já o chamou de o seu “Ronaldinho”, louvando-lhe as habilidades para fazer negócios. Formado em biologia, o rapaz era monitor de Jardim Zoológico até o pai chegar à Presidência. Cansado de ficar informando ao visitante onde se escondiam as antas, ele decidiu ser empresário quando o genitor se tornou o primeiro mandatário. E o fez com uma desenvoltura assombrosa. Só a Telemar (hoje Oi) injetou R$ 15 milhões na empresa do rapaz, a Gamecorp. Nada além de uma aposta comercial?

Assim seria se assim fosse. Empresas de telefonia são concessões públicas, que dependem de decisões de governo. Aliás, é bom lembrar: Lula mudou a lei que proibia a Oi (ex-Telemar) de comprar a Brasil Telecom (que era de Daniel Dantas). A síntese: o pai de Lulinha tomou a iniciativa de alterar uma regra legal e beneficiou a empresa que havia investido no negócio do filho. Isso é apenas uma interpretação minha? Não! Isso é apenas um fato. Adiante.

Os Lula da Silva formam uma dinastia. O filho repete, em certa medida, o caminho do pai — e não é de hoje. Quando Lula era o líder da oposição, também morava, a exemplo de Lulinha, numa casa que estava muito acima de suas posses oficiais. O imóvel lhe era cedido por um advogado milionário chamado Roberto Teixeira, seu compadre. Se vocês entrarem no Google, ficarão espantados com a freqüência com que Teixeira aparece ligado a, digamos assim, negócios que passam pelo petismo.

Agora o sítio

Jonas Suassuna, o sócio de Lulinha e dono oficial do apartamento milionário em que mora o filho do Poderoso Chefão petista, é quem aparece como proprietário de um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, em companhia de Fernando Bittar, que é, ora vejam, o outro sócio de Lulinha. Até aí, bem…

Ocorre que, no PT, e fora dele, incluindo toda a Atibaia, a propriedade é conhecida como o “sítio do… Lula!”. É lá que ele passa os fins de semana desde que deixou a Presidência. A propriedade foi inteiramente reformada, em tempo recorde, pela empreiteira OAS, a pedido de… Lula! Os pagamentos aos operários eram feitos em dinheiro vivo. O arquiteto que cuidou de tudo se chama Igenes Irigaray Neto, indicado para o empreendimento pelo empresário José Carlos Bumlai, amigão de… Lula! O tal aparece com frequência em histórias mal contadas envolvendo o petismo — inclusive o petrolão.

A OAS, que reformou o sítio que até petistas dizem ser do ex-presidente, também foi chamada para concluir um dos edifícios da Bancoop, a cooperativa ligada ao PT, que era presidida por João Vaccari e que faliu, deixando três mil pessoas na mão. O único prédio concluído é justamente um de alto padrão, onde Lula tem um tríplex, com elevador interno. Quando explodiu o caso Rosemary Noronha, aquela amiga íntima do ex-presidente, a OAS foi mais uma vez chamada para dar uma mãozinha para João Batista, o marido oficial da tal senhora.

Assim se construiu a república petista. Os companheiros têm explicações para essas lambanças? É claro que não! Preferem ficar vomitando impropérios nas redes sociais, acusando supostas conspirações. Definitivamente, o PT superou a fase do Fiat Elba, que foi peça-chave na denúncia contra Collor. Fiat Elba? Ora, Lula, o PT e a tropa toda são profissionais nas artes em que Collor ainda é um amador.

Autor: Reinaldo Azevedo

———————————————————–

Justiça

2

Todas as vezes que leio e ouço comentários sobre o comportamento de membros do judiciário deste corroido Brasil, brasileiro, incluindo o STJ, lembro que por algumas ocasiões, conversando com o falecido causídico e ex-árbitro de futebol Helio Coelho, ouvi, que boa parte dos “sorteios”  que indicam o julgador dos processos na primeira instância da justiça do estado de São Paulo, era direcionando; assim como, sua ojeriza a não delimitação de prazo para conclusão dos mesmos, em todos os niveis do judiciario; vez que, centenas e centenas, aguardam a manifestação do todo poderoso meretíssimo

Inacreditável

Tomei conhecimento que maioria dos “sorteios” nos processos de primeira instancia que tenha como implicado o jornalista Paulo Cezar Andrade Prado, contam com o mesmo jurado

———————————————-

Finalizando

“Em um mundo cheio de maldades o jeito é viver como uma garrafa fechada jogada ao mar, a garrafa ta na água, mas a água não esta na garrafa”.

Rafael Spagnolo

—————————————————————————-

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-02/05/2015

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

TRE-SP reabre julgamento sobre gastos políticos de Andres Sanches com empresas ligadas a Edinho Silva (PT), em Marília/SP

maio 1, 2015

andres-areia-mijada.jpg

No início da semana, publicamos que a Procuradoria Geral Eleitoral do TRE-SP pediu a reprovação das contas de campanha do Deputado Andres Sanches (PT), por diversas irregularidades, entre as quais a não comprovação de origem (e destino) de alguns gastos.

https://blogdopaulinho.wordpress.com/2015/04/29/pge-tresp-pede-reprovacao-de-contas-do-dep-federal-andres-sanches-pt-que-pode-ser-cassado/

A grande suspeita é a de que o ex-presidente do Corinthians tenha enviado recursos de “doações” para empresas de “fachada” de Edinho Silva (PT), então tesoureiro da presidente Dilma Rousseff (PT).

O caso está no Gabinete do Juiz (na verdade, uma desembergadora) para decisão e motivou a reabertura doutro julgamento, do qual Sanches havia sido absolvido.

A PGE-TRE/SP conseguiu, em recurso, aprovar a realização de novas diligências que podem comprovar as suspeitas de irregularidades nos gastos de campanha de Sanches na cidade de Marília, em que, suspeita-se, que não apenas as empresas de Edinho Silva tenham lavado dinheiro, mas também que a Prefeitura local poderia ter desviado recursos públicos para abastecer, por meio de outras “fachadas”, o caixa do dirigente alvinegro.

Marin é o “novo Farah” de Marco Polo Del Nero

maio 1, 2015

judas

No primeiro dia da gestão Marco Polo Del Nero, na CBF, o ex-presidente José Maria Marin percebeu que todos os acordos firmados (antes e depois da queda de Ricardo Teixeira), não seriam honrados, como se esperava.

Pelo contrário.

Nero tratou logo de demitir funcionários de confiança de Marin, até então “aliado”, além doutras ações, em desconformidade com o que havia sido combinado, anteriormente.

Não é, porém, o primeiro grande ato de traição política do referido dirigente: nos anos 90, Eduardo José Farah, então presidente da FPF, dos mais influentes cartolas do futebol brasileiro, envolto em investigações, acordou com Del Nero para que este assumisse o poder, e seguisse as diretrizes pré-combinadas para benefício do ‘grupo”.

A faca nas costas se deu, também, logo no início do mandato, com Farah nunca mais retornando ao protagonismo (morreu quase no anonimato), e Del Nero, ao lado do petista Vicente Cândido, demitindo, na entidade, todos os que eram leais ao ex-dirigente.

Mais badalado Sub-20 do Fluminense está fora da Seleção por não fazer parte do “esquema” Gilmar Rinaldi(o)

maio 1, 2015

gallo rinaldi

Surpreendeu torcedores do Fluminense, mas não alguns membros da diretoria, a não convocação de Gerson, mais badalado prata da casa do clube, para a Seleção Brasileira Sub-20, enquanto outros atletas das Laranjeiras, como Kennedy e Marlon, estão na lista dos chamados.

A explicação, minuciosa, já havia sido publicada, em detalhes, pouco mais de um mês atrás, neste espaço:

https://blogdopaulinho.wordpress.com/2015/03/30/confira-os-nomes-e-valores-que-wagner-ribeiro-nao-teve-coragem-de-revelar-no-esquema-de-convocacoes-da-cbf/

Kennedy e Marlon são agenciados pela empresa Ferreira Representações, de propriedade de Evandro Ferreira (empresário de Vagner Love) e pelo advogado Diogo Souza, ambos “laranjas” em transações de atletas de Gilmar Rinaldi(o), responsável pela gerência das Seleções na CBF.

Há, evidentemente, a colaboração de Gallo, comandante das seleções de base brasileiras.

A influência é tão grande que o filho de Evandro, o atleta Evander, possui cadeira cativa nas convocações da equipe Sub-17 do Brasil, conforme confirmou, recentemente, outro empresário, Wagner Ribeiro, conhecedor dos bastidores do submundo da bola.

Diogo Souza, não por acaso, é advogado de Adriano Imperador, outro atleta ligado a Rinaldi(o).

Recentemente, Evandro Ferreira apresentou-se, também, como representante de Gilmar em ação de cobrança movida contra o Palmeiras.

Imprensa italiana repercute matéria do Blog do Paulinho sobre “Caso Neymar”

maio 1, 2015

neymar laor

NUOVI PROBLEMI PER BARÇA E SANTOS DAL “NEYMARGATE”

http://www.tifosobilanciato.it/2015/05/01/nuovi-problemi-per-barca-e-santos-dal-neymargate/

Do TIFOSO BILANCEATO

Il trasferimento di Neymar dal Santos al Barça è certamente uno di quelli che rimarranno negli annali della storia del calcio. Non solo per il valore del calciatore, ma per gli strascichi che l’operazione ha avuto in particolare in Spagna.

Dopo aver costretto alle dimissioni l’ex-Presidente del Barça Rosell e portato all’apertura di un contenzioso di natura fiscale con il Governo Spagnolo (per il quale i blaugrana hanno versato circa 20 mln di euro, fra tasse e multe) adesso i futuri problemi sembrano spostarsi in Brasile.

Come forse ricorderete, il calciatore era nell’orbita di un fondo TPO, DIS Esporte, che ne possedeva il 40% dei diritti economici. La transazione fra le due squadre è ufficialmente stata conclusa per un importo di 11,7 mln, cifra che avrebbe dovuto remunerare il Santos ma anche il fondo DIS. Immediatamente dopo la conclusione dell’affare, quando sono iniziati ad emergere i primi particolari sulle modalità attraverso le quali l’operazione di vendita era stata strutturata, il fondo ha deciso di difendersi legalmente, ritenendo di essere stato truffato.

Qualche giorno fa, su un sito di un noto Blogger brasiliano che già in passato avevamo imparato a conoscere, è stato pubblicata una clausola estratta da un contratto siglato fra Santos e Barcellona che potrebbe mettere decisamente nei guai le due squadre:

caso neymar

In sostanza le due squadre hanno previsto di dividere un parti uguali l’impatto di un lodo arbitrale o sentenza passata in giudicato che certifichi che

“il valore che dovrà essere pagato a DIS sia superiore alla quantità dichiarata fra i club

Non propriamente un elemento favorevole da portare a propria difesa.

REVISTA ÉPOCA: As suspeitas de tráfico de influência internacional sobre o ex-presidente Lula

maio 1, 2015

lula

O Ministério Público Federal abre uma investigação contra o petista – ele é suspeito de ajudar a Odebrecht em contratos bilionários

Da ÉPOCA

Por THIAGO BRONZATTO E FILIPE COUTINHO

epoca lula

Quando entregou a faixa presidencial a sua pupila, Dilma Rousseff, em janeiro de 2011, o petista Luiz Inácio Lula da Silva deixou o Palácio do Planalto, mas não o poder. Saiu de Brasília com um capital político imenso, incomparável na história recente do Brasil. Manteve-se influente no PT, no governo e junto aos líderes da América Latina e da África – líderes, muitos deles tiranetes, que conhecera e seduzira em seus oito anos como presidente, a fim de, sobretudo, mover a caneta de seus respectivos governos em favor das empresas brasileiras. Mais especificamente, em favor das grandes empreiteiras do país, contratadas por esses mesmos governos estrangeiros para tocar obras bilionárias com dinheiro, na verdade, do Banco Nacional de Desenvolvimento, o BNDES, presidido até hoje pelo executivo Luciano Coutinho, apadrinhado de Lula. Como outros ex-presidentes, Lula abriu um instituto com seu nome. Passou a fazer por fora (como ex-presidente) o que fazia por dentro (como presidente). Decidiu continuar usando sua preciosa influência. Usou o prestígio político para, em cada negócio, mobilizar líderes de dois países em favor do cliente, beneficiado em seguida com contratos governamentais lucrativos. Lula deu início a seu terceiro mandato. Tornou-se o lobista em chefe do Brasil.

lula mpf 1

Nos últimos quatro anos, Lula viajou constantemente para cuidar de seus negócios. Os destinos foram basicamente os mesmos – de Cuba a Gana, passando por Angola e República Dominicana. A maioria das andanças de Lula foi bancada pela construtora Odebrecht, a campeã, de longe, de negócios bilionários com governos latino-americanos e africanos embalada por financiamentos do BNDES. No total, o banco financiou ao menos US$ 4,1 bilhões em projetos da Odebrecht em países como Gana, República Dominicana, Venezuela e Cuba durante os governos de Lula e Dilma. Segundo documentos obtidos por ÉPOCA, o BNDES fechou o financiamento de ao menos US$ 1,6 bilhão com destino final à Odebrecht após Lula, já como ex-presidente, se encontrar com os presidentes de Gana e da República Dominicana – sempre bancado pela empreiteira. Há obras como modernização de aeroporto e portos, rodovias e aquedutos, todas tocadas com os empréstimos de baixo custo do BNDES em países alinhados com Lula e o PT. A Odebrecht foi a construtora que mais se beneficiou com o dinheiro barato do banco estatal. Só no ano passado, segundo estudo do Senado, a empresa recebeu US$ 848 milhões em operações de crédito para tocar empreendimentos no exterior – 42% do total financiado pelo BNDES. Há anos o banco presidido por Luciano Coutinho resiste a revelar os exatos termos desses financiamentos com dinheiro público, apesar de exigências do Ministério Público, do Tribunal de Contas da União e doCongresso. São o segredo mais bem guardado da era petista.

Moralmente, as atividades de Lula como ex-presidente são, no mínimo, questionáveis. Mas há, à luz das leis brasileiras, indícios de crime? Segundo o Ministério Público Federal, sim. ÉPOCA obteve, com exclusividade, documentos que revelam: o núcleo de Combate à Corrupção da Procuradoria da República em Brasília abriu, há uma semana, investigação contra Lula por tráfico de influência internacional e no Brasil. O ex-presidente é formalmente suspeito de usar sua influência para facilitar negócios da Odebrecht com representantes de governos estrangeiros onde a empresa toca obras com dinheiro do BNDES. Eis o resumo do processo: “TRÁFICO DE INFLUÊNCIA. LULA. BNDES. Supostas vantagens econômicas obtidas, direta ou indiretamente, da empreiteira Odebrecht pelo ex-presidente da República Luis Inácio Lula da Silva, entre os anos de 2011 a 2014, com pretexto de influir em atos praticados por agentes públicos estrangeiros, notadamente os governos da República Dominicana e Cuba, este último contendo obras custeadas, direta ou indiretamente, pelo BNDES”.

Os procuradores enquadram a relação de Lula com a Odebrecht, o BNDES  e os chefes de Estado, a princípio, em dois artigos do Código Penal. O primeiro, 337-C, diz que é crime “solicitar, exigir ou obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato praticado por funcionário público estrangeiro no exercício de suas funções, relacionado a transação comercial internacional”. O nome do crime: tráfico de influência em transação comercial internacional. O segundo crime, afirmam os procuradores, refere-se à suspeita de tráfico de influência junto ao BNDES. “Considerando que as mencionadas obras são custeadas, em parte, direta ou indiretamente, por recursos do BNDES, caso se comprove que o ex-presidente da República Luís Inácio Lula da Silva também buscou interferir em atos práticos pelo presidente do mencionado banco (Luciano Coutinho), poder-se-á, em tese, configurar o tipo penal do artigo 332 do Código Penal (tráfico de influência)”, diz o documento.

A investigação do MPF pode envolver pedidos de documentos aos órgãos e governos envolvidos, assim como medidas de quebras de sigilos. Nas últimas semanas, ÉPOCA obteve documentos oficiais, no Brasil e no exterior, e entrevistou burocratas estrangeiros para mapear a relação entre as viagens internacionais do ex-presidente e de integrantes do Instituto Lula com o fluxo de caixa do BNDES em favor de obras da Odebrecht nos países visitados. A papelada e os depoimentos revelam contratos de obras suspeitas de superfaturamento bancadas pelo banco estatal brasileiro, pressões de embaixadores brasileiros para que o BNDES liberasse empréstimos – e, finalmente, uma sincronia entre as peregrinações de Lula e a formalização de liberações de empréstimos bilionários do banco estatal em favor do conglomerado baiano.

A Odebrecht tem receita anual de cerca R$ 100 bilhões. É uma das principais empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato, que desmontou um esquema de pagamento de propinas na Petrobras. Segundo delatores, a construtora tinha um método sofisticado de pagamento de propinas, incluindo remessas ao exterior trianguladas com empresas sediadas no Panamá. A empreiteira, que foi citada pelo doleiro Alberto Youssef e por ex-funcionários do alto escalão da Petrobras, nega as acusações.

Saiba mais sobre a investigação do Ministério Público Federal em ÉPOCA desta semana. A reportagem detalha os casos dos documentos e imagens abaixo:

AMIGOS O ex-presidente Lula em encontro com o presidente da República Dominicana, Danilo Medina, em janeiro de 2013. Lula foi dar uma palestra em premiação a jovens do país (Foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula)

AMIGOS
O ex-presidente Lula em encontro com o presidente da República Dominicana, Danilo Medina, em janeiro de 2013. Lula foi dar uma palestra em premiação a jovens do país (Foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula)
PRESTÍGIO O presidente de Gana, John Dramani Mahama, veio ao Brasil em 2014 para lançar seu livro Meu primeiro golpe de Estado. Aproveitou para visitar Lula e executivos da Odebrecht (Foto: Erika Santelices/AFP)
PRESTÍGIO
O presidente de Gana, John Dramani Mahama, veio ao Brasil em 2014 para lançar seu livro Meu primeiro golpe de Estado. Aproveitou para visitar Lula e executivos da Odebrecht (Foto: Erika Santelices/AFP)
Um padrão que se repete (Foto: Reprodução)

São Paulo pagou 47% de comissão em transação de empréstimo

abril 30, 2015

aidar

Em balanço recém publicado, o São Paulo indicou valores pagos, a título de comissão, para intermediários, grande parte em negociações de jogadores de futebol.

Porém, o percentual que mais chama a atenção é de um item denominado “empréstimos”, deslocado em meio a uma relação de jogadores (fora do campo empréstimos bancários), como se necessário fosse escondê-lo.

Talvez pelo fato do “emprestador” (que não é informado), provavelmente empresário de jogador, não poder aparecer, diferentemente do que ocorreu na tomada de dinheiro de instituições bancárias, que o Tricolor discriminou, uma a uma, claramente.

O valor tomado foi de R$ 1.736.000.

Porém, a comissão indicada, de R$ 815 mil (sem a indicação de para quem foi paga), corresponde a incríveis 47% da transação.

27% a mais do que a generosa administração Aidar acertou pagar para Cinira Maturana, 1/2 namorada do Presidente, em contrato revelado, recentemente, rompido após grande pressão de conselheiros.

No mesmo documento o clube cita outros pagamentos de intermediação, desta vez de atletas, também sem expor o nome de quem teria sido agraciado com os comissionamentos.

R$ 1,5 milhão na venda de Aloísio para o Shandong Luneng

R$ 1,22 milhão na transação de Douglas para o Barcelona

R$ 706 mil na aquisição de Lucas Evangelista do Deportivo Brasil

Justiça indica perito no processo em que Carla Dualib cobra R$ 14,4 milhões do Corinthians

abril 30, 2015

carladualib

Em reviravolta processual, Carla Dualib, neta do ex-presidente do Corinthians, Alberto Dualib, por intermédio da empresa SMA, conseguiu reabrir o processo pelo qual cobra R$ 14,4 milhões do Timão, entre indenizações e comissões supostamente devidas.

A Justiça, em primeira instância, havia decidido pela prescrição.

O clube tentou se livrar da ação denunciando Dualib (o ex-presidente), mas o pedido foi indeferido:

“Inconsistente a pretensão do réu ao denunciar à lide o senhor Alberto Dualib, na medida em que se mostra defeso a inserção de fundamento novo na lide em testilha, já que seria necessário, no caso de procedência da ação, demonstrar a infração que aquele cometeu quando presidente do Corinthians, usurpando de suas funções e cometendo grave prejuízo ao patrimônio do demandado. Como tal debate não está inserido nos liames estabelecidos nesta ação, a meu aviso, não é o caso de deferimento da denunciação à lide, eis que não configurada a hipótese prevista no artigo 70, inciso III, do Código de Processo Civil”

Ontem, o juiz Marcello do Amaral Perino, da 42ª Vara Civil, decidiu pela produção de prova pericial para comprovação de “existência de valores não pagos, cumprimento correto do contrato e pertinência da indenização pretendida em virtude da exclusividade contratual.”

Foi nomeada a perita Dra. Adriana Lucena, que, em cinco dias, estipulará os honorários do trabalho, com prazo, depois, de mais 30 dias para apresentar o laudo pericial, partindo-se, então, para a conclusão do embate.

FHC e a maconha

abril 30, 2015

fhc maconha

Da FOLHA

Por ROGÉRIO GENTILE

Os defensores da liberação da maconha no Brasil costumam argumentar que a política de guerra às drogas fracassou –pois não reduziu a produção nem o consumo– e que a medida é necessária para esvaziar o crime organizado.

FHC é o principal expoente dessa bandeira, chegando ao ponto, na semana passada, em evento no Rio de Janeiro, de dizer que o “governo atual não tem, aparentemente, sensibilidade com a questão das drogas”, como se ele tivesse feito algo diferente na sua passagem pela Presidência.

O tucano defende basicamente que o Estado passe a regular a venda da maconha, retirando-a “das mãos do crime organizado”. Ainda bem que esse tipo de ingenuidade ocorreu ao ex-presidente somente na planície, longe do poder e livre dos compromissos com a realidade.

A legalização da venda da maconha não seria um grande problema para o crime organizado, que continuaria a existir da mesma forma, negociando todo tipo de droga. Não precisaria abdicar nem mesmo da maconha. Teria apenas de trocar o verbo “traficar” pelo não menos violento “contrabandear”.

Exatamente como ocorre atualmente com o tabaco. Anualmente, cerca de 33 bilhões de cigarros, ou um a cada três fumados no Brasil, são ilegais, trazidos essencialmente do Paraguai por quadrilhas internacionais que, obviamente, não pagam imposto nem respeitam as normas do Ministério da Saúde.

Os chamados cartéis do cigarro atuam na base da propina e da violência. Não é à toa que cidades localizadas em região de fronteira chegam a ter um índice estratosférico de homicídios, de cerca de 98 para cada 100 mil habitantes –a média nacional, que já é elevada, é de 29 homicídios por 100 mil.

A liberação da maconha, além de não enfraquecer o crime organizado, como crê FHC, lhe traria, na verdade, um estímulo. O mercado consumidor potencial passaria a ser bem maior que o atual.

Federações Estaduais e o Marketing da Benemerência

abril 30, 2015

cartola

(trecho da Coluna de JUCA KFOURI, na Folha)

Cerca de 20 mil profissionais do futebol passarão o feriado do Dia dos Trabalhadores sem ter o que comemorar.

Ao contrário, desde que os campeonatos estaduais terminaram para os clubes pequenos, jogadores, técnicos, preparadores físicos, auxiliares técnicos, massagistas, roupeiros etc., olham para 2015 e sabem que só resta esperar pelo Réveillon porque o ano acabou para eles.

Mas as inúteis capitanias hereditárias, as federações estaduais, proclamam que, beneméritas, dão emprego a tanta gente.

Sabe esta coisa do marketing da benemerência do qual se aproveitam mais os promotores que os alvos da generosidade?

Sim, não é fenômeno exclusivo do futebol, mas também dele, assim como já foi dos bicheiros e atualmente é explorado pelos traficantes, assim como por uma porção de fundações, ONGs e assemelhados.

Daqui para frente, o de sempre.

Os pequenos entram em quarentena e os grandes não param.

O falso Novorizontino do Paulistinha

abril 30, 2015

novorizontino

Por IGOR MUNARIM

Não confundam esse Novorizontino com aquele vice-campeão do Paulistinha em 1990

Muita gente pensa que o Novorizontino voltou a elite do Campeonato Paulista de futebol. Não é verdade!

O nome oficial do Novorizontino que foi vice-campeão Paulista de 1990 perdendo para o Bragantino é o Grêmio Esportivo Novorizontino. O clube fechou as portas (ou faliu) em 1999 graças ao estrago feito por Marquinho Chedid que arrendou o clube em 1994. A sua ultima participação na elite do Paulistinha foi em 1996.

O nome oficial desse Novorizontino que subiu a elite do Campeonato Paulista é o Grêmio Novorizontino (sem o Esportivo). Eles vão estrear na elite do Paulistinha em 2016.

As três coisas que o Grêmio Novorizontino (sem o Esportivo) está herdando do Grêmio Esportivo Novorizontino são as cores (amarelo e preto), o escudo e o mascote (Tigre).

As unicas diferenças o nome oficial e a data de fundação (Grêmio Esportivo Novorizontino foi fundado em 1973 e morreu em 1999, o Grêmio Novorizontino foi fundado em 2010).

Os direitos do nome Grêmio Esportivo Novorizontino ainda pertencem a família Chedid.

Vozão campeão no Castelão !

abril 30, 2015

ceará

Por JUCA KFOURI

Senhoras e senhores, acaba de acabar um jogo disputado com uma velocidade que não se costuma ver no sul maravilha e adjacências.

A decisão da Copa do Nordeste foi alucinante, no Castelão lotado (63.903 pagantes, mais de 64 mil presentes, recorde absoluto na temporada nacional) e lindo, num show da torcida do Ceará, que chorou no ano passado ao ver a festa da Sport e que agora comemora o título numa noite memorável.

Se o jogo tivesse oito gols não seria exagero, tantas as oportunidades criadas também pelo Bahia, num jogo eletrizante decidido por dois gols de cabeça de dois zagueiros, Charles e Gilvan, um em cada tempo, aos 16 e aos 8 minutos.

Se você não viu, dirá que há excesso de boa vontade no que está escrito.

Se viu, provavelmente concordará: foi um jogo que a Premier League assinaria embaixo.

Estádio belíssimo, gramado impecável, jogo lá e cá, o gol como objetivo, jogo vertical durante 90 minutos, um ESPETÁCULO.

Empolgante mesmo!

O Chelsea tem Drogba, 37 anos?

Pois o Ceará tem Magno Alves, 39!

E jogando muito.

O único senão: 2 a 1 mente sobre o que foi o jogo.

O Bahia, como se fosse um time alemão, não desistiu até o fim, tanto que descontou aos 44, com Max Bianchucci, em falha do goleiro cearense.

Fosse 5 a 3 ficaria melhor.

E para qualquer lado, embora, de fato, por tudo, fosse mesmo a vez do Vozão.

Graaaaande campeão!

Saiba como Lula faz a cabeça dos “companheiros”

abril 29, 2015

image

PGE-TRE/SP pede reprovação de contas do Dep. Federal Andres Sanches (PT), que pode ser cassado

abril 29, 2015

andres-e-a-champagne.jpg

Em 17 de março de 2015, a Procuradoria Geral Eleitoral do TRE-SP, após analise minuciosa, enviou parecer à Justiça Eleitoral pedindo a reprovação das contas de campanha do Deputado Federal Andres Sanches (PT).

O processo nº 573.849.2014.626.0000 está, desde o dia 19 de março, no gabinete da Desembargadora Dra. Diva Prestes Marcondes Malerbi, que deve, nos próximos dias, proferir a sentença.

Em caso de condenação, a PGE pedirá, além da aplicação de pesada multa, a cassação do mandato e diploma do ex-presidente do Corinthians.

Os procuradores encontraram diversas irregularidades nas contas apresentadas por Sanches, que não conseguiu, por exemplo, explicar os gastos de campanha realizados às empresas de fachada, ligadas a Edinho Silva (PT), então tesoureiro de campanha da presidente Dilma Rousseff.

A denúncia foi encorpada por requerimento de investigação, protocolado no TRE-SP, pelo associado do Corinthians, Sr. Rolando Wohlers, o Ciborg, inserindo documentação fornecida pelas matérias do Blog do Paulinho.

https://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/10/05/despesas-de-campanha-de-andres-sanches-sao-desviadas-para-empresas-fantasmas-do-pt-e-a-uma-laranja-de-19-anos/

CONFIRA ABAIXO AS PRINCIPAIS MOVIMENTAÇÕES DO PROCESSO QUE PODE LEVAR À CASSAÇÃO DO DEPUTADO PETISTA ANDRES SANCHES

04/11/2014 – Processo é distribuído para a vara da Desembargadora Dra. Diva Prestes Marcondes Malerbi

18/11/2014 – A SCI (Secretaria de Controle Interno), após verificar irregularidades, solicita diligências para comprovar as acusações

21/11/2014 – Andres Sanches recebe autorização para ter acesso ao processo e prazo de 72 horas para explicar as irregularidades

27/11/2014 – Exatamente às 12h18m, Andres Sanches é comunicado que desobedeceu à determinação de apresentar defesa (prazo venceu em 26/11)

27/11/2014 – No desespero, às 13h08m, cinquenta minutos após a comunicação anterior, Sanches protocola (fora do prazo) documento com supostos esclarecimentos sobra as acusações

03/12/2014 – Seis dias após analisar os argumentos de Andres Sanches, a SCI emite parecer conclusivo pela desaprovação das contas de Andres Sanches, e, no mesmo dia, envia o relatório para a Procuradoria Geral Eleitoral

07/12/2014 – Após analisar a documentação, a PGE entende também pela reprovação das contas, pedindo ainda para que Andres Sanches seja notificado, novamente, para prestar esclarecimentos

10/12/2014 – Andres Sanches recebe novo prazo de 72 horas para contestar parecer da Procuradoria

11/12/2014 – A PGE junta no processo documento nº 213.327/2014 dando conta de “irregularidades na prestação de contas do candidato” Andres Sanches (PT)

12/12/2014 – No desespero, Sanches junta nova defesa, nº 242.241/2014

24/02/2015 – Após a virada do ano, a SCI devolve o processo em que havia solicitado vistas, mantendo parecer pela reprovação das contas

17/03/2015 – Em decisão definitiva, a PGE, depois de duas oportunidades fornecidas a Andres Sanches (PT) para explicar as contas de campanha, envia o processo para o Gabinete da Juíza, com parecer pela reprovação das contas

19/03/2015 – A ação chega às mãos da Desembargadora para conclusão, que deve ocorrer, nos próximos dias.

contas andres 1

contas andres 2

contas andres 3

contas andres 4

 

contas andres 5

contas andres 7

contas andres 8

contas andres 9

contas andres 10

contas andres 11

contas andres 12

 


%d blogueiros gostam disto: